A capa de
A capa de “Detective Comics 27” com a estreia do Batman. História de Bill Finger.

A editora DC Comics (e o conglomerado Warner Bros., da qual faz parte) surpreendeu todo mundo ontem com uma boa notícia:  partir de agora, oficialmente, o escritor Bill Finger receberá os créditos de criação do Batman, o mais popular dos personagens da editora, ao lado do sempre creditado Bob Kane.

O anúncio é oficial e, a partir de agora, os produtos referentes ao cavaleiro das trevas serão “Batman criado por Bob Kane e Bill Finger”. A nova sentença estreia já na segunda temporada da série de TV Gotham, que se inicia nos EUA nas próximas semanas. Em seguida, também estará no filme Batman vs. Superman – A Origem da Justiça, em março de 2016.

Embora o anúncio não faça menção, é quase certo que as HQs também terão a nova informação.

Bob Kane já trabalhava para a DC Comics, em 1938, quando convidou Bill Finger para a função de “escritor fantasma“. Do modo como a indústria de quadrinhos funcionava na época, um artista como Kane fazia a negociação direta com a editora, que encomendava uma quantidade enorme de trabalho do artista (que era pago por página, como ainda é hoje). A quantidade impossibilitava que alguém como Kane fizesse tudo, então, ele abria um estúdio, no qual contratava outros escritores e desenhistas que não ganhavam crédito algum, já que o contrato era entre Kane e a editora.

Muitos criticam Kane por isso, mas a maioria dos grandes escritores ou desenhistas da época usava o mesmo recurso dos estúdios, como Will Eisner, Jerry Siegel e Joe Shuster, Jack Kirby e Joe Simon etc.

O Robin também foi criado por Finger.
O Robin também foi criado por Finger.

Em 1938, Kane já fazia algum sucesso escrevendo histórias policiais e de detetives para as revistas Action Comics e Detective Comics, quando o editor Vin Sullivan lhe encomendou um novo super-herói que fizesse tanto sucesso quanto o recém-lançado Superman. Kane criou o conceito do Batman, mas solicitou ao colega Bill Finger algumas “dicas” antes de apresentá-lo à DC Comics. O próprio Bill Finger narrou a história em um depoimento citado no livro A História dos Quadrinhos, de autoria de Jim Steranko:

[Bob] teve uma ideia para um personagem chamado “Batman” e ele me pediu para ver os desenhos. Eu fui até o [estúdio] de Kane e ele tinha desenhado um personagem que parecia demais com o Superman, com um tipo de uniforme vermelho, eu acho, com botas… sem luvas, sem braceletes… com uma pequena domino mask [aquela máscara que cobre apenas os olhos], balançando em uma corda. Ele tinha duas asas fixas nas costas, que pareciam asas de morcego. E abaixo tinha um grande símbolo com “Batman” [escrito].

O próprio Kane já contou mais ou menos a própria história, em sua autobiografia, de 1994, reconhecendo que Finger nunca recebeu o crédito merecido, e reafirmando que foi o escritor quem teve a ideia de transformar a “domino mask” em um capuz completo (com orelhas) e transformou as asas em uma capa recortada, que dava o efeito de uma asa de morcego quando projetada nas sombras ou no ar, além de acrescentar as luvas características do personagem.

Bill Finger: herói não celebrado.
Bill Finger: herói não celebrado.

Foi Finger também quem criou o nome “Bruce Wayne” para a identidade secreta do herói, já que queria um nome que passasse heroísmo (o Bruce de Robert Bruce, herói da luta na formação da Escócia) e, por ser um playboy, algo aristocrático (um sobrenome relacionado à colonização da América, que achou em Mad Anthony Wayne).

A partir dos conceitos de Kane, Finger escreveu a primeira história do Batman, publicada em Detective Comics 27, de maio de 1939. Ele também produziu muitas das primeiras e mais famosas aventuras do personagem. Além disso, o escritor também batizou a cidade de Gotham City e criou – em parceria com Kane e/ou o desenhista Jerry Robinson – personagens marcantes como Coringa, Robin, Mulher-Gato e o Comissário Gordon.

(Saiba mais sobre a criação do Batman clicando aqui).

A origem do Batman é contada por Finger e Kane em
A origem do Batman é contada por Finger e Kane em “Detective Comics 33”: apenas duas páginas.

Bob Kane costumava dizer que criou Batman pensando em um super-herói, mas Bill Finger o transformou em um detetive sombrio. O aspecto policial e detetivesco de muitas aventuras do homem-morcego eram uma marca de Finger, assim como o curioso gosto por inserir objetos em tamanho aumentado. Artefatos icônicos da batcaverna usados como troféus pelo herói, como o dinossauro T-Rex mecânico e a moeda gigante surgiram em aventuras escritas por ele.

Finger criou a origem do Batman, contada em Detective Comics 33, de 1939, na qual o pequeno Bruce Wayne vê os pais serem assassinados por um bandido comum.

Capuz Vermelho: história de Bill Finger.
Capuz Vermelho: história de Bill Finger.

Também foi Finger quem escreveu a mais celebrada história do cavaleiro das trevas na Era de Ouro dos Quadrinhos: Quem é o Capuz Vermelho?, publicada em Detective Comics 158, de 1955, que trouxe, pela primeira vez, a origem do Coringa.

Em uma entrevista ao quadrinista Mark Waid, o letrista (e artista que fazia os fundos das histórias, como cenários) George Roussos ressaltou a dedicação e talento de Finger em sua escrita:

O que era bom sobre Bill é que, o que quer que ele escrevesse em uma trama, fazia um monte de pesquisa para aquilo. Quer se passasse em uma estação de trem ou em uma fábrica, ele sempre tinha uma foto de referência, normalmente da National Geographic, e dava a Bob [Kane] toda a pesquisa para desenhar a partir daquilo. Ele era muito organizado e metódico. Seu único problema era que não conseguia manter o ritmo de trabalho… Não podia produzir material com regularidade o suficiente.

A preocupação em criar histórias críveis e dar um ar de “realidade” ao mundo habitado por Batman, foi uma grande marca de Finger para o personagem. Nessa busca, o escritor criou vários elementos do universo do homem-morcego, como o batmóvel e a batcaverna.

Bill Finger nos anos 1940.
Bill Finger nos anos 1940.

Milton “Bill” Finger nasceu em Denver, no Colorado, nos EUA, em 1914, numa família judia. Seu pai, Louis, havia emigrado da Áustria e sua mãe, Tessie, era norteamericana. Durante a Grande Depressão, a oficina de alfaiataria de Louis quebrou e a família se mudou para Nova York, onde foi morar no Bronx. Lá, Bill foi estudar na DeWitt Clinton High School, onde conheceu o futuro parceiro Bob Kane. Após trabalhar junto com Kane em 1938, assumiu o posto de principal escritor do estúdio do desenhista, produzindo as aventuras do Batman em seus primeiros anos.

Kane manteve o estúdio produzindo as histórias do Batman entre 1939 e 1964, quando se aposentou. Bill Finger produziu tanto através do estúdio quanto remetendo material diretamente para a DC Comics.

O Lanterna Verde original de 1940, cocriado por Bill Finger.
O Lanterna Verde original de 1940, cocriado por Bill Finger.

Isso permitiu a Finger trabalhar com outros personagens da editora. Ele criou, juntamente ao desenhista Martin Nodell, a primeira versão do herói Lanterna Verde (Alan Scott), que produziu por sete anos, entre 1940 e 1947; e também escreveu histórias do Superman. Inclusive, apesar da kryptonita ter sido criada no programa de rádio do homem de aço (a partir de uma história original de Jerry Sigel, o criador do personagem), Finger foi o primeiro escritor a usar o mineral em uma HQ: Superman 61, de 1949, com arte de Al Plastino.

Finger ainda escreveu muitas histórias para a revista World’s Finnest, que traziam aventuras conjuntas de Batman e Superman e faziam bastante sucesso na época.

O Esquadrão Vitorioso da Marvel daria origem aos Invasores.
O Esquadrão Vitorioso da Marvel daria origem aos Invasores.

O escritor também trabalhou em algumas outras editoras de quadrinhos, ocasionalmente.Uma delas foi a Marvel, para quem, nos anos 1940, escreveu várias aventuras do Capitão América. Finger também criou, em 1946, o primeiro supergrupo de heróis da Marvel, o Esquadrão Vitorioso, que reunia heróis como Capitão América, Tocha Humana, Namor, Bucky, e alguns outros. Apesar da equipe ter apenas duas histórias publicadas, foi essencial, porque o conceito foi absorvido anos mais tarde pelo escritor Roy Thomas, que “criou” o grupo Invasores na revista dos Vingadores, em Avengers 71, de 1969. Mais tarde, o próprio Thomas criou uma história em que mostrava que os Invasores haviam mudado de nome para Esquadrão Vitorioso após o fim da II Guerra Mundial.

Biografia do escritor.
Biografia do escritor.

Finger produziu histórias para a DC Comics até o fim dos anos 1960 e morreu em 1974, aos 59 anos. Em 1999, seu amigo e ex-parceiro Jerry Robinson (que trabalhou no estúdio de Kane) criou o Bill Finger’s Awards of Comics Writing, que premia os melhores escritores de quadrinhos todos os anos na Comic Con de San Diego.

O fato da DC Comics passar a dar os créditos oficiais de Bill Finger como cocriador do Batman, provavelmente, se insere no contexto da editora tentar evitar problemas judiciais com seus herdeiros, do mesmo modo que tiveram com a família de Jerry Siegel ou a Marvel Comics teve com os herdeiros de Jack Kirby. De qualquer modo, é uma novidade bem-vinda e justa com o talentoso escritor sendo reconhecido, mesmo que tardiamente.

Batman foi criado pelo cartunista Bob Kane e o escritor Bill Finger, estreando na revista Detective Comics 27, de 1939 e desde então é publicado pela DC Comics.

Anúncios