Chris Squire: lucemia.
Chris Squire: lucemia.

Faleceu neste domingo, dia 28 de junho, o baixista e compositor britânico Chris Squire, um dos fundadores e principais membros da banda Yes, uma das mais lendárias de rock progressivo da história. Um dos maiores baixistas do rock, Squire morreu vítima de leucemia em Phoenix, no Arizona, nos EUA, cerca de um mês após o anúncio de que estava com a doença.

Squire é o único membro do Yes que participou de todos os álbuns da banda, marcada pela troca constante de membros. Também era um dos principais compositores do grupo, fazendo duetos com o vocalista Jon Anderson.

O baixo de Chris Squire é um dos melhores do rock, ao lado de Jack Bruce (Cream) e John Entwistle (The Who), sendo de grande acento melódico e agressivo. O músico usava um Rickenbaker e muitas vezes seu baixo soa como uma segunda guitarra.

Squire nos anos 1970: um dos maiores baixistas do rock.
Squire nos anos 1970: um dos maiores baixistas do rock.

Como compositor, Squire assina ou coassina vários clássicos da banda, como Beyond and before, I’ve seen all good people, Starship trooper, Yours is not disgrace, Southside of the sky, Heart of sunrise, And you and I, dentre outras.

Squire e Jon Anderson fundaram o Yes em 1968, a partir de uma banda que tocava nos clubes londrinos, influenciados pela psicodelia da época, também incorporaram o elemento melódico dos Beatles, o folk dos Byrds e os vocais arranjados dos Beach Boys, mas fundamentalmente, uma música extremamente complexa, influenciada pelo jazz, na qual várias seções musicais se alternavam em relação a uma melodia principal, criando um som diversificado com canções bastante longas, o que seria rotulado de rock progressivo.

De sucesso tímido em seus primeiros álbuns, o Yes terminou ganhando notoriedade com The Yes Album, de 1970 e, rapidamente, se tornou uma das mais poderosas bandas britânicas e um dos carros-chefes do movimento do rock progressivo, ao lado de bandas como Pink Floyd, Jethro Tull, King Crimson, Genesis e Emerson, Lake & Palmer.

O auge do Yes foi em 1972, quando lançou seus dois discos mais importantes, Fragile e Close to the Edge, que marcam a entrada do tecladista Rick Wakeman, e estão calcados em uma dinâmica fortíssima e impressionante entre o baixo de Chris Squire e a bateria de Bill Bruford.

O Yes manteve destaque em álbuns posteriores, como Tales of Topographic Oceans (1974), Relayer (1975) e Going For the One (1976), mas depois, amargou uma decadência que resultou no fim do grupo em 1980.

Nesse meio tempo, Chris Squire também lançou o álbum solo Fish Out of Water (1975), que é uma obra poderosíssima e o melhor dos trabalhos individuais dos ex-membros do Yes.

O Yes no auge da carreira em 1972.
O Yes no auge da carreira em 1972.

Após a paralisação da banda em 1980, contudo, Squire, o baterista Alan White e o vocalista Jon Anderson retomaram o grupo e o Yes lançou 90125, que trouxe o megahit Owner of a lonely heart, que foi um grande sucesso em 1983 e, provavelmente, a canção mais conhecida do grupo.

A partir de então, o Yes continuou sendo uma banda de retorno, mas sempre na ativa e produzindo material novo, embora muito pautado no repertório do passado.

A banda tocou no Brasil diversas vezes, desde o Rock In Rio de 1985, passando por outras oportunidades em 1995 e as duas últimas em 2010 e 2013.

O Yes 2013.
O Yes 2013.

A formação mais recente da banda trazia Jon Davison (vocais), Steve Howe (guitarra), Chris Squire (baixo), Geoff Downes (teclados) e Alan White (bateria).

Christopher Russel Edward Squire, nasceu em Londres em 1948 e, na adolescência, foi expulso da escola por usar cabelos longos demais.  Nunca mais retornou e se dedicou à música. Ele tinha 67 anos e era casado e tinha quatro filhos. O Yes emitiu uma nota oficial lamentando sua morte, mas não há informações se o grupo continuará suas atividades.

 

Anúncios