A Legião Urbana com Renato Russo ao centro.
A Legião Urbana com Renato Russo ao centro.

Hoje, o cantor e compositor Renato Russo completaria 55 anos, caso não tivesse falecido em 1996 aos 36 anos. Lendário já em vida, o líder da Legião Urbana virou um ícone e ídolo após a morte, sendo ainda hoje um dos compositores mais importantes do Brasil. Sua influência na juventude ainda é considerável, o que não é pouco em tempos em que o rock nacional anda tão em baixa quanto nos anos 1970!

Assim, para celebrar a obra do maior ídolo do rock brasileiro e da banda mais importante e de maior sucesso da história de nosso país, o HQRock traz a discografia completa comentada da Legião Urbana!

Pegue seu violão, um livro de poesia, faça um lual na praia e cante esse hinos juvenis imortais.

Biografia

A Legião Urbana ainda em Brasília: retratos de que país é este...
A Legião Urbana ainda em Brasília: retratos de que país é este…

A Legião Urbana se formou em Brasília no início dos anos 1980, advindos da forte cena punk local. O vocalista Renato Russo foi o principal catalisador daquela cena que se formou numa região chamada de Colina, que terminou batizando o movimento que daria origem a várias bandas. Em 1978, Renato Russo fundou a banda Aborto Elétrico, a primeira e principal banda punk da Capital Federal. Russo saiu do grupo em 1979, mas a banda continuou na ativa, mudando o nome para Capital Inicial e se tornando também uma das principais dos anos 1980.

Após passar um tempo se apresentando sozinho como O Trovador Solitário, num repertório mais folk, Renato Russo fundou a Legião Urbana junto ao baterista Marcelo Bonfá em 1982, num núcleo de baixo e bateria. Após alguns outros guitarristas passarem pelo grupo, Dado Villa-Lobos entrou em 1984, criando o núcleo duro do conjunto. No mesmo ano, uma crise pessoal fez Renato Russo cortar os pulsos e ficar impossibilitado de tocar o baixo, de modo que Renato Rocha entrou para a banda para ocupar tal função.

O disco de estreia, com o quarteto, foi lançado em 1985 e levou o nome da banda, já fazendo sucesso. No ano seguinte, Dois se tornou um fenômeno de vendas, sendo até hoje um dos mais vendidos da história fonográfica brasileira. O sucesso prosseguiu com Que País é Este? (1987), mas Renato Rocha saiu da banda depois deste, tornando-a novamente um trio. Vieram em seguida As Quatro Estações (1989), o maior sucesso da banda; e então uma guinada na carreira, rumo a uma sonoridade menos enérgica e mais melancólica, que refletia a descoberta, por parte de Russo, de que era portador do vírus HIV, rendendo os álbuns (1991), O Descobrimento do Brasil (1993) e A Tempestade (1996), este lançado concomitante à morte do artista.

A Discografia

LEGIÃO URBANA – 1985

Capa do primeiro álbum, de 1985.
Capa do primeiro álbum, de 1985.

A Legião Urbana estreou com um álbum homônimo que já fez sucesso no eixo Rio-São Paulo, mas que chegou um “pouco atrasado” na cena do BRock, que desde 1982 já vinha apresentando artistas de sucesso como Blitz, Barão Vermelho, Ultraje a Rigor, Paralamas do Sucesso, Kid Abelha, Titãs etc. Até o Biquíni Cavadão já tinha lançado seu primeiro disco! Por outro lado, a Legião Urbana já era cultuada antes do disco por um pequeno mercado alternativo de shows e gravações demo em fita k7. E o Paralamas do Sucesso já havia gravado a canção Química, de autoria de Renato Russo. Também não custa lembrar que quando do lançamento do disco, Russo já compunha há sete anos e tinha um grande volume de composições que iriam preencher os primeiros discos da banda (e os do Capital Inicial, também…).

Legião Urbana, o disco, é ainda marcantemente influenciado pelo punk dos anos 1970, embora a cena pós-punk britânica – dos Smiths, particularmente – já possa ser sentida em algumas faixas. O disco abre com a quase balada Será, que foi um grande sucesso nas rádios. Outra quase balada também fez sucesso em seguida: Ainda é cedo, que leva coautoria dos outros membros da banda (Dado Villa-Lobos, Marcelo Bonfá e Renato Rocha), mais o ex-guitarrista Ico Ouro-Preto. Porém, o lado mais punk da banda também encontrou seu público com Geração Coca-Cola.

Ainda assim, o disco traz outras pérolas escondidas, como O reggae, Teorema e Baader-Meinhoff blues. O álbum é encerrado pela balada eletrônica Por enquanto, que passou despercebida há época, mas uma década depois se transformaria em um grande clássico da música brasileira na interpretação da cantora Cássia Eller.

DOIS – 1986

legiao_urbana_dois_1986O segundo disco foi um sucesso ainda maior, mas já trazia uma banda menos punk e mais sintonizada com o pós-punk dos Smiths. Este disco foi um grande fenômeno de vendas na época, puxado por grandes clássicos, como Tempo perdido, Quase sem querer e Eduardo e Mônica, que foram lançadas em compactos e verdadeiros arrasa-quarteirões nas rádios. Também ganharam destaque Índios, Fábrica e Daniel na cova dos leões.

As canções deste álbum eram em grande parte mais novas do que as do anterior – carregado de heranças dos tempos do Aborto Elétrico – o que faz serem composições mais maduras, mais melancólicas e com letras muito melhores. Renato Russo já era um letrista de destaque no primeiro álbum, mas em Dois se transforma mesmo em um dos grandes poetas da música brasileira recente, ocupando um cenário até então “monopolizado” por Cazuza, que há essa altura, já havia saído do Barão Vermelho para a carreira solo.

Outro detalhe acerca das composições novas é a grande participação do baixista Renato Rocha nas coautorias, creditado em três canções: Daniel na cova dos leões, Quase sem querer e Acrilic on canvas.

Apesar de Legião Urbana ser um bom disco, Dois é efetivamente o primeiro grande clássico da Legião Urbana e um dos melhores álbuns da carreira da banda (e do rock nacional como um todo). Também traz a primeira canção-história de Renato Russo, aquelas com longas biografias cantadas em letras quilométricas, quase como um poema épico da contemporaneidade, como se vê em Eduardo e Mônica, a historinha de um casal totalmente oposto que dá certo. A canção é até hoje uma das mais queridas do público brasileiro.

O megaclássico Tempo perdido sintetiza em certo sentido a carreira de Renato Russo e é uma das principais canções do cancioneiro recente brasileiro. Sua frase máxima “somos tão jovens” não apenas virou hino, mas também batiza a referida cinebiografia do músico.

QUE PAÍS É ESTE? (1978-1987) – 1987

Que País é Este encerra o primeiro ciclo da banda.
Que País é Este encerra o primeiro ciclo da banda.

Com o grande sucesso da Legião Urbana, a agenda de shows da banda cresceu e ela teve que se mudar de Brasília para o Rio de Janeiro. Enquanto circulavam pelo Brasil, a gravadora EMI queira mais um álbum para aproveitar as vendas esmagadoras do disco anterior. Sem ter material novo para isso, o grupo decidiu gravar o repertório já existente, mas ainda não utilizado de canções que circulavam desde 1978. Muitas dessas canções ainda apareciam nos shows e eram conhecidas do público mais fiel. A banda decidiu assumir isso e transformou seu terceiro álbum em um tipo de fechamento de ciclo autorreconhecido. Tanto que o disco ganhou um subtítulo chamado 1978-1987 para enfatizar o sentido de “sobras“.

Assim, grande parte das faixas de Que país é este? são heranças do Aborto Elétrico, como a faixa-título, Conexão Amazônia, Tédio e Química. Outras, são da fase O Trovador Solitário de Renato Russo, quando se apresentava apenas com voz e violão nos bares de Brasília, antes da fundação da Legião Urbana, como Eu sei e Faroeste Caboclo. Esta última é mais uma das canções-histórias do autor: são nove minutos e 129 versos da épica história de João de Santo Cristo, um baiano que vai tentar a vida em Brasília e termina se envolvendo com o mundo do crime.

Faroeste caboclo, claro, virou um grande clássico da música brasileira e é outra das mais queridas do público até hoje. Ela também causou uma grande sensação, porque obrigava as rádios a tocar seus quase 9 minutos várias vezes ao dia. E aqueles que a ouviram nas rádios no fim dos anos 1980 devem lembrar da versão censurada da canção, que trocava alguns dos palavrões originais por palavras mais brandas. (A Ditadura Militar já tinha acabado, mas a censura, não). De qualquer modo, a letra original continuou no disco e é a que toca até hoje. E não custa lembrar: em 2013 chegou aos cinemas uma adaptação cinematográfica da canção, que fez bastante sucesso.

Que País é Este?, o disco, fez um grande sucesso, mas deixou um gosto amargo por se tratar de material reciclado. Apenas duas canções eram novas: a balada Angra dos Reis e a punk Mais do mesmo. De qualquer modo, foi outro fenômeno e sua faixa-título virou outro hino da juventude e da crítica política brasileira. Anos mais tarde, o Paralamas do Sucesso regravaria a faixa, incorporando-a definitivamente ao seu repertório.

Este também é o último álbum gravado com a participação do baixista Renato Rocha, que teria uma biografia trágica daqui em diante (saiba mais aqui).

AS QUATRO ESTAÇÕES – 1989

Legião_Urbana_-_As_Quatro_EstaçõesMais marcante do que a saída de Renato Rocha da banda no início das gravações deste álbum, foi a confusão gerada após o concerto da banda no Estádio Mané Garrincha em Brasília. O reencontro da banda com seu primeiro público não foi tranquilo, resultando em uma confusão generalizada, que rendeu prisões e feridos. Renato Russo já vinha manifestando, desde o início do sucesso da Legião Urbana, certa fobia de palco e ela se generalizou após esse evento. Assim, a banda deixou os concertos por um tempo e se trancou nos estúdios para gravar aquela que muitos consideram a sua maior obra-prima, o álbum As Quatro Estações.

Enquanto Que País é Este? é mais parecido com Legião Urbana, As Quatro Estações é uma progressão natural de Dois, retomando não apenas a verve mais lírica de Renato Russo, como a sonoridade mais indie e melancólica daquele. O resultado é um disco de rock pungente com letras fortes (e belíssimas) e um sucesso de vendas sem igual. Até hoje, o álbum permanece como um dos discos de maior sucesso de vendas da fonografia brasileira.

A sucessão de sucessos radiofônicos toma quase o álbum inteiro: Há tempos, Pais e filhos, Quando o sol bater na janela do teu quarto, Monte Castelo e Meninos e meninas. Além disso, há outras peças, menos populares, mas igualmente notáveis, como Feedback song for a dying friend, 1965 (Duas tribos), Maurício e Se fiquei esperando meu amor passar.

Há tempos traz a crítica social relacionada à dor interna e ao sofrimento; Pais e filhos se tornou uma das canções mais populares da banda, discutindo as relações familiares, mas também trazendo o hino máximo “é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã” até hoje cantado a plenos pulmões pelo público; Monte castelo traz uma letra belíssima misturando trechos da Primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios com um soneto de Luis Vaz de Camões; em Meninos e meninas (uma “irmã” sonora de Quase sem querer) Renato Russo assume sua bissexualidade para quem quer ouvir; Maurício retoma o mesmo tema; e Feedback song for a dying friend traz uma singela homenagem ao amigo Cazuza, que realmente morria de AIDS na época e faleceria pouco tempo depois do lançamento do disco.

Apesar de ser cantada em inglês – língua na qual Renato Russo era fluente, por ter morado nos Estados Unidos quando criança e por ter sido professor de inglês antes da fama – Feedback song… tem uma tradução escrita no encarte do disco, adaptação de Millor Fernandes.

Assim, As Quatro Estações é um marco não só na carreira da Legião Urbana, mas da música brasileira. E seu legado permanece por meio de suas canções. A gravadora EMI até lançou uma versão ao vivo do disco, em 2004, chamado As Quatro Estações Ao Vivo. Por fim, uma curiosidade: a banda Barão Vermelho gravou uma versão de Quando o sol bater na janela do teu quarto e a incorporou definitivamente ao seu repertório.

V – 1991

Legião_Urbana_-_VO quinto álbum é o mais estranho e diferente entre todos os álbuns da banda. Se o público da época esperava que a Legião Urbana iria deitar e rolar em cima do supersucesso de As Quatro Estações e manter a pegada, deve ter ficado chocado. V é um disco duro, difícil e arrastado; marcado por faixas de estrutura não usual e letras enigmáticas, falando quase sempre de situações dramáticas e melancólicas. Na verdade, tudo refletia a descoberta de Renato Russo de que era portador do vírus HIV, fato que ficou em segredo nos cinco anos seguintes.

Apesar de ter rendido três hitsVento no litoral (mais tarde gravada também pela Cássia Eller), O mundo anda tão complicado (a faixa mais leve do disco) e O teatro dos vampiros – o disco não fez tanto sucesso quando do lançamento. O maior destaque é Metal contra as nuvens, um épico de mais de 11 minutos de duração, marcado por longas passagens instrumentais e várias mudanças de andamento e de arranjo. Para completar o “clima” estranho, o disco abre com uma canção medieval do século XV e possui duas faixas instrumentais. Talvez por isso e pelo grande uso de violões, de fato V tem uma “aparência” medieval mesmo…

Por tudo isso, V é um daqueles discos “ame-o ou deixe-o”. Mas é uma peça singular na carreira do grupo, marcando a passagem para uma outra fase, em que a melancolia se sobrepõe a qualquer ardor punk que ainda pudesse existir entre seus membros. Nessa nova fase, também haveria maior participação de Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá como coautores das canções, o que rendeu um estilo distinto de melodia, às vezes forçadas a abrigar as letras cada vez menos estruturadas de Renato Russo, conferindo aquele ar desigual das melodias da Legião da última fase, remetendo diretamente ao estilo trovador de Bob Dylan (e do próprio Russo em sua encarnação anterior).

Por fim, uma curiosidade: em vez do baixo ser tocado por membros da banda – como no anterior e em todos os posteriores, dessa vez, é um músico contratado quem o faz: Bruno Araújo.

MÚSICA PARA ACAMPAMENTOS (ao vivo) – 1992

Legião_Urbana_-_Música_para_AcampamentosApesar de lançado após V, Música para Acampamentos na verdade se encaixa muito mais na segunda curta fase da Legião Urbana, fazendo par com As Quatro Estações. Isso porque esta primeira copilação ao vivo do grupo enfatiza muito mais os grandes sucessos da banda, embora traga algumas surpresas, quase sempre por meio de músicas incidentais (ou seja, a banda incluindo canções conhecidas, como Stand by me e Gimme shelter, em meio aos seus sucessos). Mas também há uma canção inédita: Canção do senhor da guerra, na verdade uma demo na qual Renato Russo toca todos os instrumentos (voz, guitarra e teclado, junto a uma bateria eletrônica), que “vazou” para uma rádio da época. Clássico instantâneo.

Embora com certa dose de oportunismo, era uma maneira da Legião dar um “cala boca” à gravadora EMI, que há anos fazia pressão para uma coletânea dos hits do grupo. Este álbum cumpriu mais ou menos esse papel, trazendo material de shows diversos (alguns inclusive com Renato Rocha ainda no baixo) e material do especial de TV Acústico MTV, gravado naquele mesmo ano e que muito mais tarde seria lançado na íntegra em vídeo e disco. Também era uma maneira de recompensar a gravadora pelas baixas vendas de V.

O DESCOBRIMENTO DO BRASIL – 1993

Legião_Urbana_-_O_Descobrimento_do_BrasilAgora sim, a terceira fase da Legião Urbana ganha sequência com este álbum, prosseguindo um pouco no estilo de V, mas de modo um pouco mais tradicional. Agora, os anos 1980 pareciam bem distantes e o cenário musical brasileiro era outro totalmente diferente. E a Legião garantia seu espaço e relevância em um disco que fez bastante sucesso e rendeu vários hits: 29, Perfeição, Giz, Love in afternoon. Mantendo as grandes colaborações com Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá (agora com todos tocando vários instrumentos), as canções mantêm as melodias irregulares que marcam essa fase, mas a abordagem geral é bem mais convencional do que no álbum de estúdio anterior, dando-lhe até certo frescor pop.

Por muito pouco, O Descobrimento do Brasil não foi uma despedida, pois na turnê subsequente, uma grave crise se abateu sobre a banda, resultando que os shows foram interrompidos em 1994 e a banda entrou em estado de espera. Para piorar, Renato Russo gravou dois álbuns soloThe Stonewall Celebration Concert, de 1994 (apenas com covers em inglês) e Equilíbrio Distante, de 1995 (apenas com covers em italiano) – que aumentaram os rumores do fim da banda. Mesmo que todos negassem em entrevistas.

A TEMPESTADE – 1996

Legião_Urbana_-_A_Tempestade_ou_O_Livro_dos_DiasNa verdade, A Tempestade (ou O Livro dos Dias) é um ato de desespero. Em termos de conteúdo e de biografia. A saúde de Renato Russo se deteriorou por completo em 1995, devido à ação do vírus HIV, e o compositor começou a perceber que iria morrer em breve. De verdade.

Assim, começou a escrever letras furiosamente e repassá-las para Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá musicá-las para gravarem um disco antes que fosse tarde demais. Russo sabia o que estava fazendo, vira o amigo Cazuza fazer o mesmo seis anos antes. Assim, não houve ensaios. Após as canções ficarem pelo menos estruturadas, o compositor foi ao estúdio e gravou suas vozes primeiro, em estilo demo, para garantir que, na pior das hipóteses, pelo menos os outros poderiam trabalhar os arranjos em cima da voz já pronta. E isso seria feito. Russo ainda tocou um pouco em algumas faixas (violão, baixo, teclado), mas logo, não tinha mais condições para isso.

Para suprir sua ausência no estúdio, Villa-Lobos e Bonfá novamente gravaram vários instrumentos cada um – como no álbum anterior – e convidaram o tecladista e produtor Carlos Trilha (que acompanhara a Legião em turnê em 1993-1994, além de ter sido o grande maestro em torno dos álbuns solo do vocalista) para dar uma força nos arranjos.

O trio gravava as faixas e mostrava para Renato Russo, a essa altura, já convalescente em uma cama.

Como não podia deixar de ser, o conteúdo de A Tempestade é turbulento. Não em som – pois segue a tendência um pouco mais pop do anterior – mas nas letras, que são as mais tristes e pessimistas da carreira do compositor famoso pela melancolia. Isso torna o álbum muito tocante, especialmente àqueles que gostam de verdade de Renato Russo.

O disco não rendeu hits propriamente ditos, apesar de A Via-Láctea, L’avventura e 1º de julho terem tocado bastante nas rádios, inclusive, com a última já tendo sido um sucesso na voz de Cássia Eller ainda antes do lançamento do álbum. Mas há várias outras pérolas, como Canção de trabalho, Longe demais do meu lado, Aloha, Dezesseis e Esperando por mim.

A Tempestade ou o Livro dos Dias foi lançado, em sua primeira edição, em um formato de livro, sem a caixa acrílica do CD e com o próprio encarte de papelão servindo de embalagem. Em vez da frase Urbana Legio Omnia Vincit (A Legião Urbana a Tudo Vence, em latim) presente em todos os discos, há no encarte uma frase de Oswald de Andrade: “O Brasil é uma República Federativa cheia de árvores e gente dizendo adeus”.

Obviamente, é muito difícil analisar a recepção do álbum, tendo em vista que Renato Russo faleceu duas semanas depois do lançamento, causando uma comoção nacional que poucas vezes se viu.

UMA OUTRA ESTAÇÃO – 1997

Legião_Urbana_-_Uma_Outra_EstaçãoApesar do título péssimo (e algo oportunista), Uma Outra Estação é um trabalho já esperado. Em entrevistas da época do lançamento de A Tempestade, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá já informavam que o grupo tinha material para lançar um álbum-duplo, mas decidiu fazer um álbum simples naquela vez. Sobrava a outra metade, então.

Passado um tempo, a dupla voltou ao estúdio, então, para terminar as faixas inacabadas deixadas já registradas por Renato Russo em voz. Contudo, apesar das promessas, não havia mesmo material suficiente para encher um disco, sendo preciso resgatar canções da época do Aborto Elétrico (Dado viciado) e do Trovador Solitário (Marcianos invadem a Terra e Marianne). Há uma faixa instrumental preenchida com trechos de uma entrevista da banda nos anos 1980 (Riding song), uma sonata de Schubert (Schubert Landler) e uma faixa (Sagrado Coração) ficou sem a voz de Renato Russo, mas Bonfá e Villa-Lobos a mantiveram mesmo assim, como um instrumental.

Infelizmente, a banda gravara as melhores canções em A Tempestade e Uma Outra Estação é aquilo mesmo que parece: uma coleção de Lados B, que pode até interessar o fã mais dedicado, mas não gera grande impressão ao ouvinte médio. Os únicos destaques de verdade são Flores do mal e Depois das seis, que virou o único hit do disco.

Além da banda, participa novamente Carlos Trilha nos teclados, mais vários convidados especiais, inclusive, Renato Rocha e Bi Ribeiro (do Paralamas do Sucesso), ambos no baixo em faixas diferentes.

Outros discos póstumos:

MAIS DO MESMO (coletânea) – 1998

Legião_Urbana_-_Mais_do_MesmoApós a morte de Renato Russo, a EMI percebeu que a Legião Urbana não tinha nenhuma coletânea em seu catálogo. Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá foram contra o projeto, mas terminaram cedendo e escolhendo as faixas do álbum, sob a condição de que Mais do Mesmo ficasse apenas um ano em catálogo. A gravadora aceitou e o disco foi um grande sucesso. Obviamente, a EMI descumpriu o acordo e manteve a coletânea em catálogo. O disco traz as 16 mais famosas faixas de cada um dos oito álbuns de estúdio da banda.

ACÚSTICO MTV (ao vivo) – 1999

Legião_Urbana_-_Acústico_MTVEm 1991, a MTV abriu uma filial no Brasil e também importou parte da programação de sua matriz. Já naquela época, uma das cerejas do bolo era o programa Unplugged, que gerou clássicos acústicos em vídeo e áudio por artistas como Paul McCartney, Eric Clapton, Bob Dylan e Nirvana. A MTV Brasil, então, criou o Acústico, que também teria programas célebres, como de Gilberto Gil e Cássia Eller. O primeiro de todos foi da banda Barão Vermelho, mas coube à Legião Urbana o segundo Acústico MTV, gravado em janeiro de 1992.

O grupo tinha acabado de lançar o álbum V e pensou que seria uma maneira interessante de divulgar o disco, em vez de fazer um vídeoclipe. O programa foi exibido com sucesso, mas a Legião se negou, na época, a transformá-lo em um disco ao vivo. Em vez disso, parte do material foi adicionado a outras peças ao vivo em Música Para Acampamento, lançado em 1992.

Após a morte de Renato Russo, a gravadora EMI e a família do compositor insistiram no lançamento integral do material, o que foi feito. Pela primeira vez, todas as canções gravadas foram lançadas, tanto na versão em vídeo como no “inédito” disco. A grande surpresa – e maior sucesso do álbum – foi a balada pop Hoje a noite não tem luar, uma versão em português de Hoy me voy para México, canção da boyband portoriquenha Menudo, dos anos 1980, que revelou o cantor Ricky Martin. Renato Russo tocou (sozinho) a faixa durante um intervalo das filmagens, pensando que não estava sendo gravado.

No restante, a apresentação traz algumas canções dos álbuns – Baader-Meinhoff blues, Índios, Mais do mesmo, Pais e filhos; algumas canções de V (Sereníssima, Teatro dos vampiros e Metal contra as nuvens) e canções internacionais das quais a banda gostava, como On the way home (do canção de Neil Young gravada pelo Buffalo Springfield), Rise (do PIL), Hold on (do Jesus and Mary Chains).

COMO É QUE SE DIZ EU TE AMO? (vol 1 e 2) (ao vivo) – 2001

Legião_Urbana_-_Como_É_que_Se_Diz_Eu_Te_AmoOutro álbum ao vivo, agora trazendo o melhor de duas apresentações realizadas no antigo Metropolitan, em São Paulo, em outubro de 1994, na última turnê que a Legião Urbana realizou. No fim das contas, apesar da repetição, termina sendo melhor do que Música para Acampamentos e Acústico porque se tratar de um show de verdade, com a cadência e o repertório típicos de uma apresentação integral da banda. Por ter sido realizado já na fase final da banda, o repertório também é mais amplo, envolvendo canções de todos os álbuns até O Descobrimento do Brasil, passando desde sucessos óbvios (Será, Meninos e Meninas, Pais e filhos) até canções mais obscuras (La nuova guventú, Os anjos, Andrea Doria).

Lançado em dois volumes (dois CDs separados com metade do show cada) e uma capa simples com o ingresso do show, Como é Que Se Diz Eu Te Amo acaba sendo a melhor compilação da Legião Urbana ao vivo, com direito a tudo o que os shows tinham, inclusive, discursos de Renato Russo e covers de artistas como Rolling Stones e Caetano Veloso. Além de Renato Russo, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, há uma banda de apoio formada por Gian Fabra no baixo, Fred Nascimento na guitarra e violão auxiliares e Carlos Trilha nos teclados.

AS QUATRO ESTAÇÕES AO VIVO (ao vivo) – 2004

Legião_Urbana_-_As_Quatro_Estações_ao_VivoCom o fundo do tacho já sendo raspado, a EMI começa a se repetir para garantir que material inédito da Legião Urbana chegue às lojas, o que causou uma briga entre os herdeiros de Renato Russo e os remanescentes Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá.

De qualquer modo, chegou às lojas As Quatro Estações Ao Vivo, trazendo, como promete, uma versão ao vivo de seu álbum mais famoso. Montado a partir de dois shows no Estádio Palestra Itália, em São Paulo, em 1990, em meio à turnê de divulgação de As Quatro Estações. Por isso mesmo, quase a totalidade deste disco é executada ao vivo, juntamente às faixas dos discos anteriores. Parte do material já tinha sido lançado, contudo, em Música Para Acampamentos.

O trio da Legião é acompanhado, dessa vez, por Bruno Araújo no baixo, Fred Nascimento no violão e Mú Carvalho nos teclados.

PERFIL (coletânea) – 2011

Legião_Urbana_-_PerfilCom a família de Renato Russo assumindo o controle dos negócios da Legião Urbana, é feito um acordo com a gravadora Som Livre, que edita esta nova coletânea dentro da série Perfil, que engloba vários outros artistas brasileiros. O repertório é muito similar ao de Mais do Mesmo, só que com ainda menos faixas (apenas 14) e sem ser em ordem cronológica.

Anúncios