Clapton em 2014: aposentadoria próxima.
Clapton em 2014: aposentadoria próxima.

Maior guitarrista branco de blues, lenda máxima do rock clássico, deus da guitarra, o britânico Eric Clapton começa a se despedir de sua carreira de turnês, como o próprio HQRock já noticiou (veja aqui). O músico falou do assunto de novo esses dias, em entrevista publicada na revista Uncut:

A estrada se tornou insuportável. É algo que não tem como contornar, porque demora tempo demais para ir a qualquer lugar. É hostil! Em qualquer lugar: entrar e sair de aeroportos, viajar em aviões ou em carros…

Por enquanto, o guitarrista de 69 anos ainda pretende trabalhar com música, especialmente com gravações em estúdio. Porém, já antevê até a possibilidade de uma aposentadoria completa. À revista ele diz:

Há um monte de coisas que eu gostaria de fazer [sobre gravações], mas estou procurando uma aposentadoria também. O que vou me permitir fazer é ir até o estúdio gravar. Não quero passar do ponto onde estarei ficando com vergonha de mim mesmo.

A revista questiona se o músico pensa até em parar de tocar guitarra:

Talvez. É possível que eu não possa, se doer demais. Tenho doenças estranhas.

É uma grande pena se isso acontecer em breve. A música só tem a perder com o afastamento de Clapton e sua grande sensibilidade e musicalidade.

O Cream em 1967: Ginger Baker, Jack Bruce e Clapton. Retorno? Não mesmo!!!!
O Cream em 1967: Ginger Baker, Jack Bruce e Clapton. Retorno? Não mesmo!!!!

Por fim, a revista pergunta sobre uma possível reunião do Cream, a mais famosa das várias bandas as quais Clapton fez parte ao longo de sua carreira. O Cream tinha Clapton (vocais e guitarra), Jack Bruce (vocais e baixo) e Ginger Baker (bateria), cada um dos três eleito o melhor instrumentista em seu instrumento numa eleição do jornal Melody Maker em 1966, antes da formação da banda, que, coincidentemente, estreou no mesmo ano. O grupo durou apenas dois anos, mas fez um sucesso enorme e mudou a música dos anos 1960 com seu som pesado carregado de improvisação e tonalidades psicodélicas.

Porém, formado por grandes músicos – todos já famosos na Inglaterra antes de se reunirem – o Cream terminou implodindo em meio a uma devastadora batalha de egos. Clapton foi o único dos três que manteve popularidade com o passar das décadas. O Cream se reuniu para uma série de concertos no Madison Square Garden, em Nova York, em 2005, que foram depois lançados em vídeo e disco.

À Incut, Clapton falou da experiência:

Não falo com Jack [Bruce] ou Ginger [Baker] já há algum tempo. Acho que não houve nenhuma linha de diálogo entre nenhum de nós ou entre eu e eles, é preciso ser dito, desde a reunião nos EUA. Depois daquilo, estou bastante convencido de que fizemos o mais do possível sem que alguém fosse morto. Neste ponto da minha vida, não quero sangue em minhas mãos. Não quero ser parte de algum tipo de confrontação trágica.

É, esqueçam qualquer possibilidade de reunião do Cream.

Winwood e Clapton
Winwood e Clapton: últimos anos dedicados a revisitar a própria carreira.

Clapton vem adotando uma postura retroativa nos últimos anos de sua carreira: promoveu o Concert For George, em 2002, em homenagem ao falecido amigo, o ex-beatle George Harrison; reuniu o Cream para os shows de 2005; gravou um álbum com o parceiro J.J. Cale, em 2006; se reuniu ao cantor e compositor Steve Winwood (seu parceiro na banda Blind Faith, de 1969), em 2007, e fez algumas turnês ao lado dele; tocou ao lado de Jeff Beck (outro grande guitarrista dos anos 1960) em uma série de shows em 2010. Seus últimos álbuns – Clapton (2010) e Old Sock (2013) também trazem pouco ou nenhum material novo, mas canções de seus ídolos em décadas passadas.

Claro que o deus da guitarra é senhor de sua vida e pode fazer o que quiser, mas a música só tem a perder com o afastamento de Eric Clapton dos holofotes. Que venham mais álbuns e solos de guitarra geniais.

Saiba mais sobre a carreira de Eric Clapton aqui. Conheça a Discografia Completa do deus da guitarra aqui.

***

Eric Clapton nasceu em Ripley, na Inglaterra, em 1945, e foi um dos pioneiros da cena de R&B no país. Ele estreou profissionalmente na banda The Yardbirds, em 1963, e ganhou uma áurea mitológica quando entrou para os The Bluesbreakers de John Mayall, em 1965, e pichações com frase de “Clapton is god (Clapton é deus)” apareceram nos muros de Londres. Em seguida, alçou fama internacional como guitarrista do Cream, uma das mais famosas e importantes bandas de rock dos anos 1960. O grupo encerrou as atividades já em 1969 e Clapton montou o Blind Faith que gravou apenas um único álbum, de grande sucesso. Ele ainda montou a Derek and the Dominos, que gravou o antológico álbum Layla and Other Assort Love Songs, em1970, e depois de um período de ostracismo causado pelo abuso de drogas, retomou a carreira – agora solo – em 1974, tornando-se de novo um dos maiores astros da música internacional.

 

Anúncios