Homem-Aranha: repleto de boas histórias.

O personagem mais popular da Marvel Comics e de maior sucesso da editora – criado por Stan Lee e Steve Ditko em 1962 – tem uma longa (e conturbada) história editorial. Veja aqui o post em três partes do HQRock sobre a trajetória do “amigão da vizinhança” nos quadrinhos, em termos editoriais e cronológicos.

Mas o Homem-Aranha sempre soube honrar sua popularidade com algumas das melhores histórias já publicadas pela Marvel. Vejamos aqui uma lista selecionada das 20 melhores histórias do Homem-Aranha.

Os critérios para a seleção envolvem a importância da história dentro da cronologia; a qualidade dos textos e desenhos; a situação como “obras de referência” para o personagem ou a indústria de quadrinhos em geral; e, por fim, a presença em outras listas do tipo. Também foi buscado um equilíbrio entre as histórias “clássicas” e aquelas mais contemporâneas. Claro que o unanimidade é impossível, mas a presente lista – que não se pretende “definitiva” – tenta ser o mais eficiente possível.

Fica a dica para aqueles que pretendem se aprofundar no universo do amigão da vizinhança. Uma parte é de relativo fácil acesso nas livrarias em geral e outras só serão encontradas nas comic shops, as lojas especializadas em quadrinhos. Mas cada uma vale a pena ser lida. Divirta-se!

01 – A Noite em que Gwen Stacy Morreu

A mais clássica aventura do Homem-Aranha.

Amazing Spider-Man 121 e 122, 1973, por Gerry Conway, Gil Kane e John Romita.

Em 1965, quando Lee e Ditko ainda escreviam as aventuras do aracnídeo, acharam que, após dois anos de publicação, era chegada a hora de dar uma “turbinada” na revista do Homem-Aranha. Assim, fizeram com que Peter Parker terminasse o colegial e entrasse na Universidade Empire State, em Nova York. Dentre seus novos colegas estavam Harry Osborn e Gwen Stacy, com quem o rapaz logo engataria um romance. Por anos, Gwen foi a “namoradinha dos quadrinhos”, uma personagem bastante querida dos fãs, desenhada com uma beleza plástica única por John Romita, quando este assumiu as histórias em 1966.

Mas os escritores achavam Gwen enfadonha e preferiam a personalidade mais volátil e menos controlada de Mary Jane Watson, a namorada de Harry. Assim, numa reunião editorial se decidiu que Gwen devia morrer e coube ao novato Gerry Conway – escrevendo Amazing Spider-Man há poucos meses, em substituição a Stan Lee – a tarefa de criar a história. E Conway, aos 19 anos, criou um clássico absoluto dos quadrinhos, para muitos o marco decisivo da passagem da Era de Prata dos Quadrinhos para a Era de Bronze. O impacto da morte surpresa de Gwen – não foi anunciada na capa nem na publicidade – não pode ser medido e, na época, enfureceu os fãs. Numa era de “mortes vazias” como são os quadrinhos hoje, talvez seja difícil entender a importância da história da morte de Gwen Stacy, mas este foi um marco literal dos quadrinhos do Homem-Aranha, da Marvel e do mercado como um todo. De brinde, um grande confronto com o Duende Verde e a morte de Norman Osborn (esta, não durou tanto…).

A trama é incrível: enquanto Harry Osborn está à beira da morte por causa de uma overdose de LSD (!), seu pai Norman Osborn está à beira da ruína financeira. Sem ter como lidar com a pressão, Norman sucumbe ao seu lado sombrio e volta a ser o Duende Verde. Osborn suspeita que Peter Parker (que divide um apartamento com Harry) foi quem lhe passou as drogas e ele sabe que Parker é o Homem-Aranha. Em busca de se vingar, o Duende Verde sequestra a namorada do herói, Gwen Stacy, e a leva para o topo da Ponte do Brooklyn, onde travarão uma batalha mortal.

02 – A Morte de Jean DeWolff

O Devorador de Pecados: assassino de Jean DeWolff.

Spectacular Spider-Man 104 a 107, 1985, por Peter David e Rick Buckler.

Parece que a morte inspira as pessoas. Peter David era um funcionário da Marvel que trabalhava no setor de marketing. Ao aproximar-se da linha editorial, conseguiu convencer o Editor-Chefe Jim Shooter e o editor assistente responsável pelas histórias do Homem-Aranha, Jim Saliscup, de que poderia escrever uma história do personagem. E o texto que produziu impressionou tanto os editores que decidiram não apenas publicá-lo, mas fazer dele o marco da mudança de rumo da revista secundária Peter Parker: The Spectacular Spider-Man. A revista fora criada em 1976 por Gerry Conway com o objetivo de abordar mais temas sociais do que a principal Amazing Spider-Man, voltada assim, para temas mais humanos. Os escritores seguintes – Bill Mantlo, Chris Claremont, Roger Stern – não deram a mesma pegada, tornando-a simplesmente uma segunda casa de aventuras do aracnídeo. E Al Migron a tornou uma revista de comédia escrachada, no que não foi bem-sucedido e a reação dos fãs foi ruim. A editoria da Marvel decidiu torná-la mais séria, violenta e sombria, num contraponto à Amazing, mais tradicional. E quem inaugurou a nova fase? O estreante Peter David e sua história sobre a morte de Jean DeWolff.

A capitã da polícia de Nova York era uma personagem secundária nas histórias do Homem-Aranha e não tinha sido muito bem explorada, é verdade. Mas Peter David transforma sua morte violenta e aparentemente gratuita em um grande marco, numa história repleta de suspense, violência e seriedade. Um assassino serial chamado Devorador de Pecados, a contagem de mortos aumentando, o Homem-Aranha e o Demolidor envolvidos no caso e o aracnídeo ficando completamente possesso ao descobrir que Jean DeWolff era apaixonada por ele e partindo com uma fúria incomum para cima do assassino, o que incluia espancá-lo sem dó nem piedade.

A história já está dentro do espectro da Era Sombria dos Quadrinhos e chocou os leitores com sua robustez, permanecendo, assim, como um grande clássico dos quadrinhos do Homem-Aranha, embora não tão famosa quanto outras histórias. E os leitores mais jovens, acostumados a ver o escritor Peter David mais dedicado justamente às comédias (que ironia!) devem estranhar essa sua estreia com chave de ouro nos quadrinhos.

03 – A Criança Interior

“Criança Interior”: clássico dos anos 1990.

Spectacular Spider-Man 178 a 184, 1991, por J.M. DeMatteis e Sal Buscema.

Que tal um drama psicológico em que dois adultos têm que lidar com seus fantasmas passado, particularmente relacionados à figura paterna? Um deles, filho bastardo de um rico empresário com uma governanta, que sofreu abuso sexual do pai; o outro, o filho único de outro rico empresário, que nunca teve muito tempo para a criança e criou nela a sensação de que nunca o que fazia era suficiente para agradá-lo. Pois este é o conteúdo desta brilhante história escrita por J.M. DeMatteis em sua estreia como escritor fixo da revista Spectacular Spider-Man em 1991.

DeMatteis aprofundou os aspectos psicológicos dos personagens, explorando a tensão de Harry Osborn entre lidar com o passado criminoso do pai (Norman Osborn, o Duende Verde) e, ao mesmo tempo, admirá-lo profundamente, e no fundo, querer ser digno e à altura dele. Em paralelo, o drama de Ratus – personagem criado pelo autor em sua passagem no Capitão América – que é um jovem que tenta se aproximar do pai que lhe abusou, mas ao mesmo tempo, foi transformado em um monstro quase sem mente, um híbrido entre homem e rato.

E no meio disso tudo está o Homem-Aranha, tendo que lidar com os dois. A arte de Sal Buscema – um grande veterano da Marvel e do Aranha – é um caso à parte e está, aqui, em seu melhor momento.

04 – O Espetacular Homem-Aranha

A estreia do Homem-Aranha: curta, eficaz e definitiva .

Amazing Fantasy 15, 1962, por Stan Lee e Steve Ditko.

Um conto de apenas oito páginas que mudou os quadrinhos. O dono da Marvel Comics no início dos anos 1960, Martin Goldman, não gostou da nova ideia de Stan Lee de um herói com nome de aranha. Mas deixou o escritor publicar sua história no ultimo número de Amazing Fantasy, porque a revista ia ser cancelada. O resultado? Foi o maior sucesso da Marvel até então! Esta história revolucionou os quadrinhos por apresentar um herói imperfeito, humano, que tem que lidar com problemas humanos: não é popular na escola, é órfão, a tia que o criou está muito doente, eles não têm dinheiro para pagar o aluguel etc.

Além disso, quando tudo parecia que ia melhorar – ele ganha superpoderes em um acidente e passa a ganhar dinheiro como uma atração na televisão – tudo piora: seu tio é assassinado em um assalto banal. E o pior: quando vai atrás do assassino, descobre que é o bandido que deixara escapar por pura arrogância, já que teria a habilidade de prendê-lo facilmente. Assim, aprende de verdade o valor da máxima de seu tio: “com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades“. Um clássico absoluto! O sucesso de Amazing Fantasy 15 garantiu ao Homem-Aranha ganhar a sua própria revista em seguida.

05 – Ascensão e Queda do Rei do Crime

Rei do Crime ataca o Homem-Aranha.

Arco de histórias publicado em várias edições de Amazing Spider-Man, entre os números 50 e 85, 1967-1970, por Stan Lee e John Romita.

Parte considerável da áurea fase de Lee e Romita à frente da revista do Homem-Aranha nos anos 1960 foi dedicada à construção do personagem Rei do Crime. Esse conjunto de histórias mostra a ascensão e a queda de Wilson Fisk em toda a sua glória! Começando na clássica “Spider-Man No More”, da edição 50, na qual Peter Parker desiste de ser o Homem-Aranha – e deixa seu uniforme numa lata de lixo (cena adaptada no cinema mais tarde) – e a ausência do herói motiva Wilson Fisk a reunir todas as quadrilhas sob o seu comando, o que dá certo. Também é o fecho do personagem de Frederick Foswell, alguém essencial nos primeiros anos do Homem-Aranha, embora depois esquecido.

Em seguida, o Rei do Crime entra em uma disputa com o Cabelo de Prata pela posse de uma tableta de argila antiquíssima que teria a fórmula da fonte da juventude. E por fim, a queda do vilão quando sofre o ataque de um rival chamado O Planejador, cuja a identidade secreta irá destruir o mundo de Wilson Fisk.

É um conjunto admirável de histórias! Pena que depois disso, nunca mais o Rei do Crime foi um adversário digno do Homem-Aranha. Nos anos 1970, ele terminou sendo de mais valia contra outros personagens, como o Capitão América, até se consolidar como o arquiinimigo do Demolidor na célebre fase de Frank Miller com este personagem. Fisk continuou aparecendo nas histórias do aracnídeo, mas muito mais como um jogador dos bastidores do que um adversário.

06 – O Menino que Colecionava o Aranha

Um história secundária que se tornou uma favorita dos fãs.

Amazing Spider-Man 248 (história secundária), 1984, por Roger Stern e Ron Frenz.

Nada de batalhas grandiosas nem tramas complexas. O grande trunfo desta é a singileza. Publicada como uma história secundária dentro da revista, este conto trouxe uma sensível história em que o Homem-Aranha visita um menino que é o seu maior fã e está no hospital.

A conversa entre os dois é interessantíssa e serve como uma reflexão de Peter Parker sobre os seus anos como herói. Esta tem presença certa em praticamente todas as listas de as melhores histórias do personagem. Outro golaço de Roger Stern.

07 – O Duende Vive!

O maior confronto do Aranha com o Duende Verde.

Spectacular Spider-Man 02, 1968, por Stan Lee e John Romita.

Com o grande sucesso do Homem-Aranha, Stan Lee resolveu experimentar novos formatos para o aracnídeo. Então, decidiu lançar uma segunda revista do herói, mas no formato maior (magazine) e em preto e branco. A edição 01 de Spectacular Spider-Man parece que não agradou, então, para o número 02, Lee e Romita produziram um colossal confronto entre o herói e o Duende Verde, o primeiro desde que ambos descobriram as identidades um do outro. Como brinde, tinha quase 40 páginas de aventura e era em cores! Spectacular Spider-Man nem teve uma terceira edição, mas este número é um grande clássico.

Na trama, Harry Osborn se compadece da situação financeira de seu amigo Peter Parker e decide indicá-lo para trabalhar na Empresa Química do pai, Norman Osborn. O que Harry não sabe é que seu pai foi o Duende Verde e sabia da identidade secreta do Homem-Aranha até esquecê-la em um acidente. A volta da convivência com Peter faz Norman lembrar lentamente de seu passado criminoso, com a tensão crescendo entre os oponentes, mas no meio de uma festa na qual também estão presentes Harry, Mary Jane Watson e Gwen Stacy. Curiosidade: oito anos depois, a Marvel lançaria outra revista com o mesmo título, Spectacular Spider-Man.

08 – Revelações

O maior confronto entre o Aranha e o Duende Macabro.

Amazing Spider-Man 249-251, 1984, por Roger Stern e John Romita Jr.

Uma das melhores coisas do Homem-Aranha nos anos 1980 foi a saga do Duende Macabro. E este é o ponto alto de tudo! Roger Stern tinha criado o vilão para dar uma “turbinada” nas vendas e deu certo e suas histórias foram muito boas. Este arco específico era para ser o momento da virada, na qual Stern iria começar a soltar as pistas da identidade secreta do vilão, mantida em segredo. Contudo, Stern mal terminou esta história, porque entrou em choque com o Editor-Chefe da Marvel, Jim Shooter, e terminou por abandonar a revista do Homem-Aranha justo no número 251.

Na trama, Peter Parker vai à festa de inauguração da nova casa de Harry Osborn e Lizz Allen, que estão casados e à espera de um filho, quando presencia o amigo receber uma carta de chantagem na qual o remetende revela saber que Norman Osborn tinha sido o Duende Verde. Este é o momento em que Harry descobre que o pai foi um criminoso! Peter vai com ele ao encontro e termina descobrindo que o chantageador é o Duende Macabro que está usando as informações dos diários de Norman Osborn para chantagear uma série de homens de negócios. E o Homem-Aranha precisa encontrá-lo logo, já que é possível que Norman Osborn tenha escrito “Peter Parker” em algum desses cadernos! Daí, resulta uma caça de gato e rato entre o Homem-Aranha e o Duende Macabro, num combate violento. Um deleite ao leitor! Sem falar na ótima arte de John Romita Jr., o filho do mestre.

09 – A Morte de George Stacy

A morte de George Stacy em meio à batalha com Octopus.

Amazing Spider-Man 88-90, 1970, por Stan Lee, John Romita e Gil Kane.

O primeiro atentado à família Stacy ocorre nesta história. Mas a morte do quase sogro de Peter Parker não é o melhor desse arco que marca a primeira transição entre as artes de John Romita e Gil Kane para que o segundo assumisse a revista do Homem-Aranha.

O prato principal é um dos melhores confrontos entre o Homem-Aranha e o Dr. Octopus, fugindo da cadeia e mostrando como seu domínio dos tentáculos de metal é muito maior do que se esperava. Peter Parker tem que descobrir uma maneira eficiente de deter o homem que matou o seu quase-sogro e é um de seus piores inimigos. Tudo isso com as artes maravilhosas de Romita e Kane no auge!

10 – A Última Caçada de Kraven (ou Perfeita Simetria)

Kraven, o Caçador: clássico dark.

Web of Spider-Man 31 e 32; Peter Parker: The Spectacular Spider-Man 131 e 132; e Amazing Spider-Man 293 e 294, 1987, por J.M. DeMatteis e Mike Zeck.

A Marvel precisava preencher as três revistas mensais do Homem-Aranha por dois meses enquanto ocorria o casamento de Peter Parker e Mary Jane Watson em Amazing Spider-Man Annual 21, lançada naquele verão de 1987. A decisão era para que desse tempo para roteiristas e desenhistas se adaptarem à novidade e garantir que todos lessem a história do casamento antes de continuar com suas histórias pós-matrimônio. Mas o que fazer com as seis revistas? A resposta: criar um arco de histórias mais ou menos independentes. J.M. DeMatteis já vinha fazendo trabalhos para a Marvel com histórias de profundo conteúdo psicólogico e não decepcionou.

Na história, que na época foi chamada de Perfeita Simetria, Kraven, o Caçador, decide desafiar o Homem-Aranha em uma batalha e lhe imprimir uma derrota humilhante, drogando-o e enterrando-o vivo! Conseguirá o aracnídeo escapar dessa? E qual será o preço se conseguir? Os roteiros de J.M. DeMatteis estão altíssimos, como costume, e a arte de Mike Zeck – que trabalhara algumas vezes com o personagem – está em seu melhor momento. Um clássico da Era Sombria.

11 – Desmascarado!

O Duende Macabro arma uma farsa para enganar o Homem-Aranha.

Amazing Spider-Man 275-276, 1986, por Tom DeFalco e Ron Frenz.

Como Roger Stern não pôde continuar a saga do Duende Macabro, coube a Tom DeFalco substituí-lo. E embora seguisse seu próprio caminho, DeFalco fez bonito e sua temporada de dois anos à frente do Homem-Aranha, com o desenhista Ron Frenz, é um dos melhores momentos do personagem. E o ponto alto disso é aqui, nestas duas revistas, a primeira, uma edição especial com 31 páginas, comemorando os 25 anos da Marvel.

Aliado ao misterioso gangster conhecido como O Rosa, o Duende Macabro usa os novos recursos para aperfeiçoar suas armas e iniciar seu plano-mestre, que seria erguer um império de crimes maior do que o do Rei do Crime, matando o Homem-Aranha no processo. No meio do caminho, porém, surge uma distração quando o jovem Flash Thompson xinga o vilão em uma entrevista na TV, porque este feriu sua namorada Sha Shan em um sequestro aparentemente aleatório. O vilão se aproveita da situação e cria uma armadilha na qual o próprio Thompson terminará acusado de ser o Duende Macabro e dar ao vilão mais tranquilidade para tocar seu plano.

Esta história era para dar início ao fim do mistério da identidade secreta do vilão, mas Tom DeFalco também não pôde terminar o trabalho, pois dali há alguns meses seria colocado para fora da revista do Aranha por causa de divergências criativas. Mas esta história ficou muito boa!

12 – Niguém Pode Parar o Fanático!

Clássica batalha com o Fanático.

Amazing Spider-Man 229 e 230, 1982, por Roger Stern e John Romita Jr.

O que acontece se colocarmos o Homem-Aranha contra um dos mais fortes vilões da Marvel? Alguém que não pode ser parado, que é preciso do poder de todos os X-Men reunidos para detê-lo, que pode disputar um mano a mano com o Hulk em pé de igualdade? O escritor Roger Stern responde a pergunta nessa clássica aventura dos anos 1980, quando o Fanático vai a Nova York matar a Madame Teia, uma misteriosa mística que cruzava o caminho do aracnídeo naqueles tempos. O confronto exibe os limites do herói em uma história eletrizante. Outro grande momento da áurea fase de Stern e Romita Jr.

13 – A Volta do Devorador de Pecados

A volta do Devorador de Pecados (com Electro de bônus): conflitos psicológicos.

Spectacular Spider-Man 133 a 1336, 1988, por Peter David e Sal Buscema.

Por algum motivo inacreditável, o editor das histórias do Homem-Aranha, Jim Owsley, detestava o material de Peter David para o personagem e não descansou enquanto este não saísse do título secundário do herói, Spectacular. Ao perceber isso, David decidiu fechar o ciclo de um personagem que criara em sua estreia na revista: o Devorador de Pecados. Este conto, junto ao primeiro, é simplesmente uma das melhores histórias do Aranha. O assassino Stanley Carter sai do hospital psiquiátrico onde estava para um liberdade condicional e o Homem-Aranha descobre as consequências da surra que deu nele: o ex-vilão está praticamente aleijado, mancando, gaguejando e surdo de um ouvido. Peter Parker, então, fica em choque ao perceber o que sua força pode fazer nas pessoas e se torna extremamente inseguro. Ao mesmo tempo, o vilão Electro volta à ativa e descobre uma maneira derrotar o Homem-Aranha, que tem medo de machucá-lo como fez com Carter. Este precisa lidar com seus demônios internos, a culpa de matar Jean DeWolff, que era sua namorada, e todas as suas outras vítimas, enquanto escreve uma biografia. Como o herói e o vilão irão lidar com este fardo?

Peter David saiu das revistas do Homem-Aranha e permaneceu apenas no título do Hulk, que já escrevia há mais de um ano e fez um trabalho memorável. Curiosamente, apesar dessas histórias densas e dramáticas do início da carreira, o autor se especializaria na comédia com o passar dos anos.

14 – Dr. Octopus vs. Cabeça de Martelo

Cabeça Martelo vs. Dr. Octopus: primeiro clássico de Gerry Conway.

Amazing Spider-Man 113 a 115, 1972, Gerry Conway e John Romita.

Stan Lee escreveu o Homem-Aranha ininterruptamente entre 1962 e 1971, mas ao ser promovido a Publisher da Marvel Comics precisou diminuir seu ritmo de escrita. Roy Thomas assumiu Amazing Spider-Man por um tempo, mas em seguida, Lee voltou para treinar o novato Gerry Conway como seu substituto oficial. Esta história é apenas o segundo arco de histórias de Conway – o primeiro foi uma história ruim iniciada por Lee – e já aqui o escritor dava pistas de que iria se tornar um dos mais importantes nomes da indústria dos quadrinhos pelos próximos 20 anos seguintes.

Conway cria dois vilões novos, Jonas Harrow e o gangster Cabeça de Martelo e coloca este em rota de choque contra o Dr. Octopus em uma briga de quadrilhas de grandes proporções. É uma história bastante movimentada que mostra inclusive Octopus e May Parker, a tia do Homem-Aranha, em um tipo de romance!

15 – Homem-Aranha & Tocha Humana

Em meio a um sequestro, Peter Parker mostra ao Tocha Humana que é o Homem-Aranha: clássico cheio de humor.

Spider-Man & Human Torch 01-05 (minisseries), 2005, por Dan Slot e Ty Templeton.

Esta é uma daquelas “histórias retroativas“, nas quais o autor reconta fatos já conhecidos, mas acrescentando elementos que não foram revelados antes. Dan Slot, o homem que se tornaria o principal escritor do Homem-Aranha no início da atual década faz aqui um trabalho memorável e despretensioso, em que resgata toda a longa história de amizade-inimizade entre o aracnídeo e o Tocha Humana do Quarteto Fantástico. Assim, reconta velhas histórias dos anos 1960 e 1970 unindo tudo em uma narrativa coesa explorando as nuanças dessa “amizade” tão complexa. A história termina no presente, com Johnny Storm descobrindo que Peter Parker é o Homem-Aranha. O fio condutor de tudo é um humor de muito bom nível, que vai lhe fazer dar altas gargalhadas, embora seja ainda mais engraçado para quem leu as histórias originais nas quais se baseia.

16 – Venom!

Venom faz sua estreia: mais popular vilão dos anos 1990.

Amazing Spider-Man 299 e 300, 1988, por David Michelinie e Todd McFarlane.

O fim (provisório) do mistério do Duende Macabro deixou um vácuo nas histórias do Homem-Aranha: um vilão de peso. Há muito tempo os velhos inimigos não tinham mais a mesma força, então, era preciso criar alguém novo e David Michelinie fez isso. Vindo de passagens bens sucedidas nas revistas dos Vingadores e do Homem de Ferro, o escritor criou Venom, um vilão para os anos 1990. O uniforme negro que o Aranha voltou usando das Guerras Secretas, em 1984 (criado por Jim Shooter e Mike Zeck), foi revelado como sendo um simbionte alienígena que sugava sua energia vital. O herói se livrou dele, o monstro voltou e foi aparentemente desintegrado. Mas não, Michelinie e o desenhista Todd McFarlane o trouxeram de volta, agora usando o ex-jornalista Eddie Brock, como hospedeiro, alguém que também odiava o aracnídeo.

A história em si não é algo extraordinário, mas é importante por introduzir o principal vilão do Homem-Aranha nos anos 1990. E também foi adaptada para os cinemas em Homem -Aranha 3, de Sam Raimi, em 2007.

17 – MJ descobre a identidade secreta de Peter Parker!

MJ conta a Peter que sabe que ele é o Homem-Aranha.

Amazing Spider-Man 256 a 258, 1985, por Tom DeFalco e Ron Frenz.

Há um novo gangster na cidade, o misterioso O Rosa, que após ter seus planos atrapalhados pelo Homem-Aranha, contrata um mercenário – o guerreiro indígena conhecido como Puma – para matá-lo. Enquanto isso, o Homem-Aranha não consegue entender por que anda tão cansado (era o uniforme negro/alienígena simbionte sugando suas energias). Mas o principal evento dessa história não é nenhum desses: é aqui que Mary Jane Watson revela a Peter Parker que sabe (sempre soube?) que ele era o Homem-Aranha. A revelação muda completamente a relação dos dois, tornando MJ uma grande confidente (e futura esposa!). Um pequeno clássico da ótima temporada de DeFalco e Frenz à frente do título, aqui ainda em seus momentos iniciais.

18 – Guerra de Gangues

Amazing Spider-Man 284 a 289, 1986 e 1987, por Tom DeFalco (idealizador), Jim Owsley, Ron Frenz, Alan Kupperberg e Eric Larsen. (Bônus: Web of Spider-Man 29 e 30, 1987, por Jim Owsley e Steve Gerber).

Guerra de Gangues: saga idealizada por Tom DeFalco, mas realizada por Jim Owsley. Ainda assim, um clássico!

O Rei do Crime sumiu! Isso mesmo, Wilson Fisk! Com a notícia se espalhando nas ruas, as principais quadrilhas de Nova York saem em ação, cada uma tentando se impor diante das demais, colocando chefões como Cabelo de Prata, Cabeça de Martelo, O Rosa e até os novatos Azuis. Para ganhar terreno, as quadrilhas empregam mercenários poderosos, como o Duende Macabro e o Halloween. Substituindo o Rei em sua quadrilha, o Arranjador tenta manter a posição no topo do submundo, mas gente como o anti-herói Justiceiro vai fazer de tudo para acabar com ela de uma vez por todas. O Homem-Aranha tenta ajudar em meio ao fogo cruzado, mas vai encontrar um empecilho no lugar menos esperado: no até então seu amigo, Demolidor. A identidade secreta do Rosa e o plano secreto do Duende Macabro são revelados, enquanto a conduta suspeita de gente como Ned Leeds, Lance Bannon, Roderick Kingsley, Richard Fisk e o capitão da polícia Thomas Keating aprofundam outros mistérios…

Em meio à bagunça editorial que era a casa do Homem-Aranha naqueles meses – brigas entre editores e escritores, a demissão de Tom DeFalco do título, uma série de imposições advindas de cima, via o Editor-Chefe Jim Shooter etc. – é impressionante que esta história tenha conseguido ser lançada e trazido uma complexa trama que serve como um incrível fechamento à fase de Tom DeFalco, mesmo que, paradoxalmente, ele não a tenha terminado, por ser substituído pelo ex-editor Jim Owsley.

19 – Norman Osborn: A Lista

O Homem-Aranha precisa enfrentar Norman Osborn, agora como o Patriota de Ferro e não mais o Duende Verde.

Norman Osborn’s The List: Spider-Man 01, 2010, por Dan Slott e Adam Kubert.

Desde que voltou da morte, Norman Osborn se tornou o homem mais poderoso dos EUA. Conseguindo desviar a atenção por ter sido o Duende Verde, o vilão foi colocado para liderar os Thunderbolts, um projeto do Governo que usa supercriminosos descartáveis em missões suicidas. Mas a equipe de Osborn foi tão eficiente que sua popularidade começou a crescer entre o público em geral e o vilão foi virando herói. Quando houve a Invasão Secreta dos Skrulls, Osborn matou a Rainha Skrull e consolidou sua nova imagem. Assim, com Tony Stark e a SHIELD caindo em desgraça, coube a Norman o papel de líder da nova agência, MARTELO, e também ser o responsável governamental pela comunidade super-humana, além de ser o líder dos Vingadores oficiais, nada mais do que os velhos Thunderbolts. Isso não apenas torna os verdadeiros Vingadores criminosos procurados, como os obriga a pensar um plano para derrubar o vilão. E cabe ao seu velho inimigo Homem-Aranha conseguir provas que prejudiquem Osborn. É isto o que ele persegue nesta história curta e eficiente.

20 – Novas Formas de Morrer

O Homem-Aranha frente a frente com Norman Osborn e seus Vingadores Sombrios. Reinício da carreira do herói.

Amazing Spider-Man 568 e 573, por Dan Slott e John Romita Jr.

Esta história traz o primeiro confronto entre o Homem-Aranha e Norman Osborn e os seus Thunderbolts (que incluem o novo Venom [o ex-Escorpião] e o Mercenário, arquiinimigo do Demolidor), bem como as consequências disso para a vida particular de Peter Parker, especialmente para Harry Osborn. É situada logo após o grande reboot de Um Dia a Mais e Um Novo Dia e mostra o novo contexto em que ninguém mais sabe a identidade secreta do Homem-Aranha, nem mesmo Norman Osborn. Mas o vilão é muito esperto e pode descobrir tudo de novo…

***

Poderiam ter muitas outras histórias na lista, mas precisamos restringir não é mesmo?

Ainda assim, o balanço mostra que, não apenas o Homem-Aranha tem muitas histórias sensasionais, como é um daqueles personagens aos quais o tempo fez bem. Assim, como o Batman, o “cavaleiro das teias” teve muitas de suas melhores histórias contadas nos anos 1980, de modo que a passagem para a Era Sombria fez muito bem para o aracnídeo mais famoso do mundo, assim como o fez para o homem-morcego da concorrente DC Comics.

O Homem-Aranha foi criado por Stan Lee e Steve Ditko em 1962, na revista Amazing Fantasy 15, da Marvel Comics. Ele é publicado até hoje na revista Amazing Spider-Man e outras e também é membro dos Vingadores.

Anúncios